O Blog mais escondidinho de todos os blogs. Aquele que fica algures perdido na arrecadação dos fundos. A onde dou asas à minha imaginação (III)

.posts recentes

. A Ponte do Sol XVIII

. A Ponte do Sol XVII

. A Ponte do Sol XVI

. A Ponte do Sol XV

. A Ponte do Sol XIV

. A Ponte do Sol XIII

. A Ponte do Sol XII

. A Ponte do Sol XI

. A Ponte do Sol X

. A Ponte do sol IX

.arquivos

. Janeiro 2010

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009

A Ponte do Sol XV

Olá mais uma vez! Estou a aproximar-me do fim desta história o que significa duas coisas que me têm tirado o sono: está a terminar e eu até estava a gostar (mas outras virão), agora o que é realmente preocupante é que não escrevi ainda o fim. Esta história tem sido escrita a pouco e pouco, entre as horas mortas do trabalho e ultimamente, como sabem, simplesmente não tem dado. Aquilo anda uma loucura. Em fim... Mas alguma coisa surgirá. Sempre trabalhei melhor sobre pressão. É sempre nessas alturas que a minha inspiração e imaginação funciona em pleno. Mas chega de conversa...

 

Continuação...

 

Raúl estava na beira do precipício e lá em baixo corria um rio de lava; já estava a ficar desesperado quando ouviu uma voz.

- Raúl! Ajuda-me! Gritou desesperada. Raúl de bruçou-se e viu Leonor presa pela corda que os segurava. A porta que se tinha fechado estava a suste-la, mas não por muito mais tempo, pois a corda estava a desfazer-se. Apressou-se a iça-la e Leonor caiu-lhe nos braços num choro compulsivo.

- Calma meu amor. Já está tudo bem.

- Não está nada! Como é que vamos sair daqui? Estamos aqui presos para sempre! Já olhaste bem?! Não podemos voltar para trás e para a frente temos a morte certa. Nós vamos morrer!... Leonor estava completamente descontrolada. Raúl segurou-lhe o rosto entre as suas mãos.

- Leonor! Acalma-te! Nós vamos sair daqui ouviste? Confia em mim! Leonor fez um esforço para se controlar e parou de soluçar. Olharam os dois em volta. Realmente não tinham grande escolha. Ou voltavam para trás ou atiravam-se ao rio de lava. Nenhuma das duas hipoteses era viável. Foi então que Raúl reparou numa abertura na outra margem do rio de lava.

- Está ali uma passagem...

- E como é que lá chegamos? Perguntou Leonor.

Raúl olhou mais umpouco à sua volta e encontrou uma estátua de Ré, o deus do Sol. Era pequena e tosca. Aproximou-se e olhou-a com calma. Não havia nada à sua volta. Pegou nela com cuidado. Mas assim que a elevou uns milimetros do chão, ouviu-se um novo clique seguido de uma baque.

- Raúl o que é que fizeste?! Perguntou Leonor horrorizada... De repente surgiu uma espécie de prancha que se elevou a té meio do rio de lava.

- Metade do caminho já está! Sorriu Raúl. Olhou novamente para a estátua, no fundo estava uma inscrição mas em copta.

- Leonor! Dá-me aqui uma ajuda a decifrar isto. Leonor aproximou-se...


"Para o abismo deves saltar

Confiando em Ré, o todo poderoso.

No Sol que dá vida deves confiar

E a ti próprio entregar.

Para que o barqueiro à outra margem

Te possa levar"

 

- Mas o que é que isto significa? Temos de nos atirar?! Mas eles estão malucos ou quê?!

- Calma! Eles têm sempre uma saída. Se é isso que diz, é o que devemos fazer.

- Estás louco?! Enquanto Raúl dizia isto caminhou para a ponte. Era solida e segura, debruçou-se na beira. Passou a mão e constatou que não havia ali nada. A ponte acabava mesmo ali. Voltou para junto de Leonor. Não podia ser. Uma coisa que os egípcios nunca faziam era fechar todas as portas sem dar oportunidade. Deixavam sempre uma hopotese de salvação. Voltou a ler a inscrição vezes sem conta. Olhou em volta e atirou uma pedra ao acaso. Mas, em vez de ouvir a pedra a cair, ou melhor a não cair, pois seria derretida pela lava,  ouviu um estalido como se ela tivesse caido em terra firme. Mas a pedra não estava em lado nenhum. Atirou outra e viu a pedra desaparecer como que por magia e logo a seguir o som de que tinha aterrado ali perto "sã e salva".

- É isso! Temos que nos entregara  a Ré e confiar nele cegamente. Confiar na sua sabedoria. Temos de saltar Leonor...

 

Continua...

publicado por _^ANGIE^_ às 11:17
link do post | comentar | favorito
9 comentários:
De Just_Smile a 28 de Janeiro de 2009 às 21:48
Confesso que já não vinha cá à um tempo, mas já tinha saudades de 'te' ler^^
Quanto à tua inspiração ela há de surgir, não te preocupes.
Beijinhos e continuo à espera de um próximo capitulo.
De jabeiteslp a 28 de Janeiro de 2009 às 21:59

brincando a questão
queimar o traseiro
isso vão...

e não penses já no fim, pois de tão bem se desenrolar, é continuar...

beijo da Covilhã
De Desbrida a 30 de Janeiro de 2009 às 00:54
está a aquecer...é pena estar perto do fim jitos
De jabeiteslp a 4 de Fevereiro de 2009 às 22:10


revolução...

bjo da Covilhã
e resto de boa semana
De jabeiteslp a 16 de Fevereiro de 2009 às 15:06

se demoras muito
tou a ver os pombinhos
pior que uma múmia
assim a modos que agarradinhos

final infeliz, coitadinhos...

xoxo da Covilhã
uma boa semana de sorriso ...
De _^ANGIE^_ a 16 de Fevereiro de 2009 às 22:30
lololol

Até tens razão. MAs eu como escrevo mais ou menos para mim até me esqueço que vocês lêm. Eu prometo que vou postar mais um bocadito, até lá já a desgraçada caiu no rio de lava e o outro ficou e estátua de sal de tanto esperar... lolololol Beijokitas para ti tb.
De jabeiteslp a 16 de Fevereiro de 2009 às 22:44

aleluia
que o meu pedido
foi ouvido...

brinco
uma boa semana
De _^ANGIE^_ a 18 de Fevereiro de 2009 às 23:58
Está quase. Desta semana não passa

Beijocas
De jabeiteslp a 23 de Fevereiro de 2009 às 20:27


espero que não venha praí uma carnavalada...

beijinho da Covilhã

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds