O Blog mais escondidinho de todos os blogs. Aquele que fica algures perdido na arrecadação dos fundos. A onde dou asas à minha imaginação (III)

.posts recentes

. A Ponte do Sol XVIII

. A Ponte do Sol XVII

. A Ponte do Sol XVI

. A Ponte do Sol XV

. A Ponte do Sol XIV

. A Ponte do Sol XIII

. A Ponte do Sol XII

. A Ponte do Sol XI

. A Ponte do Sol X

. A Ponte do sol IX

.arquivos

. Janeiro 2010

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009

A Ponte do Sol XIV

Olá! Depois de tanto tempo aqui fica mais um bocado.Daqui a nada já nem se lembram como começou. LOLOL Desculpem lá demorar tanto tempo.Mas como tenho de passar para o pc, porque escrevo num caderno, dá-me sempre preguiça. Mas também já não falta muito para terminar. Beijocas. Vai começar a aventura.

 

Continuação...

 

Raúl foi-lhe explicando tudo o que havia descoberto, até que chegaram a uma sala com três passagens. Ele informou-a que já tinha ido pela primeira à direita e que desembocava num beco sem saída. Era costume este tipo de corredores sem saída, devido aos antigos egípcios não conseguirem avançar mais na escavação e serem obrigados e prosseguir caminho por outro lado, dando início ao mito dos labirintos criados para dificultar o aceso aos sarcófagos. A segunda encerrava um corredor enorme que terminava numa piscina com uma queda de água proveniente de uma deusa Ísis (sob a forma felina). Só lhe faltava mesmo a terceira passagem que era repleta de inscrições à volta da porta e um enorme sol no topo da entrada.

- Bem! Vou ver finalmente o que está aqui. Queres vir? Leonor assentiu com a cabeça. Estava a adorar aquela aventura. A escuridão era tão intensa que a luz dos seus capacetes só iluminavam um palmo à frente do nariz. De repente, chegaram a uma antecâmara que tinha apenas uma porta. Aquela porta estava ricamente decorada. Aliás, era a mais bonita que tinha visto até ali. Raúl, devido à sua experiência, sabia de antemão que isso não era um bom presságio. É que os egípcios tendiam a punir os ambiciosos e gananciosos e, muitas vezes, escondiam pequenas armadilhas. Contudo, ainda não tinha encontrado nenhuma e parecia-lhe pouco provável que fosse aparecer agora. Ainda assim, advertiu Leonor:

-Não toques em nada! Ouviste?!

- Sim, sim, claro!... Leonor olhava para aquela porta embevecida.

- Esta porta é linda, olha a quantidade de baixos-relevos. As outras não tinham nada disto. E tirou algumas fotografias.

- Pois! É isso que me preocupa!

- “A Ré, o todo poderoso, a nossa vida entregamos. Confiamos na sua luz e sabedoria, ainda que sejamos cegados por ela”.

- Estou a ver que as aulas de egiptologia serviram para alguma coisa…

- É eu tive um óptimo professor!

Raúl voltou-se para Leonor. Olhou-a e viu novamente aquele rosto belo que o tinha deixado perdido naquela noite de luar. Passou-lhe a mão pela face.

- Ah! Leonor! Se soubesses como és bonita… Leonor estava toda despenteada pelo esforço físico e com um ar ofegante.

- Tenho tanta coisa para te dizer… E dizendo isto aproximou o seu rosto do de Leonor e beijou-a suavemente nos lábios. Voltou a olha-la e, repentinamente, arrancou-lhe um beijo sôfrego cheio de paixão. Abraçaram-se e beijaram-se e no meio daquele turbilhão de emoções que iluminavam aquela câmara escura, ouviu-se um baque e o som de uma pedra a deslizar. Quando se aperceberam do que se estava a passar já era tarde.

- Raúl a porta está a fechar-se… Leonor olhou-a horrorizada para aquele enorme bloco de pedra que estava a deslizar fechando atrás de si a sala onde minutos antes haviam estado. Mas como é que tinham passado aquela porta sem darem conta?!...

- Calma Leonor! Geralmente existe uma saída alternativa! Leonor estava em pânico. Raúl segurou-lhe a mão e conduziu-a pelo corredor escuro.

- Não deve ser uma saída fácil, mas seguramente que existe. Murmurou entre dentes. Caminharam durante aquilo que lhes pareceu uma eternidade, e finalmente viram uma luz ao fundo. Leonor começou a correr…

- Anda, está ali a saída!

- Leonor espera! Não! Gritou Raúl. Mas já era tarde. Viu Leonor desaparecer no meio de um grito.

- Leonor! Leonor! Onde estás?!

 

Continua...

publicado por _^ANGIE^_ às 10:01
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Desbrida a 18 de Janeiro de 2009 às 20:50
gosto da história e mais uma vez deixaste a curiosidade no ar vamos lá ver no próximo capítulo o que aconteceu à Leonor... jitos
De _^ANGIE^_ a 19 de Janeiro de 2009 às 11:35
Oh! és uma querida! Claro que tenho de deixar a curiosidade no ar para manter o interesse. Ainda que só u é que a leias. lololol
Eu sei que podia estar melhor, mas esta a é a primeira. As outras pode ser que venham a ser muito melhores.

Beijocas e obrigada por vires sempre aqui.
De jabeiteslp a 19 de Janeiro de 2009 às 12:21

tá bonito
só que deixa-nos
um pouco aflito...

pobre da Leonor..

joca da Covilhã
boa semana
De _^ANGIE^_ a 20 de Janeiro de 2009 às 16:53
lolol

Olá seja muito bem aparecido.

Tenho pena que só aqui apareças quando escrevo neste blog. Sabes que apesar de ser neste que desenvolvo a minha pseudo vei artistica, não é o principal e, por isso, actualizo-o poucas vezes. Gostava que aparececes também pelos outros. Mas pronto vires aqui já é muito bom.

Beijoquitas e sim coitada da Leonor. Nem sabes o que vem por aí...
De jabeiteslp a 20 de Janeiro de 2009 às 18:30

a maldição do Tutank...
gosto da história, tem encanto...

beijo da Covilhã
eu sei que tens os outros blogs
mas eu gosto de ler estes teus romances...
continuação de boa semana

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds